A Rede Rio Doce Mar (RRDM) nasce com a finalidade de apoiar ações reparatórias de interesse público relacionadas ao impacto causado na biodiversidade aquática em ambientes continentais (rios, estuários, lagos) e marinhos (praias, costa e mar), devido ao rompimento da barragem de Fundão, em Mariana (MG), no dia 5 de novembro de 2015.

O início efetivo da atuação da RRDM aconteceu no dia 23 de julho de 2018 por meio da celebração do Acordo de Cooperação Técnico-Científica firmado entre a Fundação Espírito-Santense de Tecnologia (Fest) e a Fundação Renova para a execução do Programa de Monitoramento da Biodiversidade Aquática da Área Ambiental I - Porção Capixaba do Rio Doce e Região Marinha e Costeira Adjacente (PMBA), que tem a coordenação institucional da Ufes.

O PMBA é o único projeto em desenvolvimento na Rede até o momento. Sua execução conta com a colaboração de mais de 550 profissionais, dentre eles, aproximadamente, 330 pesquisadores vinculados e/ou associados a 26 Instituições de Ciência e Tecnologia públicas brasileiras. Clique aqui para obter maiores informações sobre o projeto.

A Coordenação Geral da RRDM é constituída por representantes de duas universidades (Ufes e Furg) e funciona como um Conselho Gestor. No plano ténico-científico e operacional conta com a atuação de três coordenadores: Coordenação Técnica (CTEC), Escritório de Projetos (EscPro) e Núcleo de Atuação Integrada em Rede (NAIR).

Dentre as modalidades de atuação da RRDM incluem-se o estabelecimento de acordos de cooperação científica/técnico-científica e participação em editais de cunho científico/técnico-científico. A RRDM não estabelece contrato de trabalho, caracterizado pela relação "empregado - empregador".

Estrutura organizacional da RRDM

A RRDM tem uma Coordenação Geral constituída por três representantes de duas universidades, formada pelos professores Adalto Bianchini (FURG), Edmilson Teixeira (Ufes) e Eustáquio de Castro (Ufes), que funciona como um Conselho Gestor. No plano técnico-científico conta com a Coordenação Técnica (CTEC) e no plano administrativo-gerencial e de relações institucionais com o Escritório de Projetos (EscPro) e o Núcleo de Atuação Integrada em rede (NAIR). Existem também coordenações de Ambientes, de Projetos e Subprojetos, que caracterizam um sistema de atuação integrada e colaborativa. Juntas, a Coordenação Geral e a Coordenação de Ambientes formam a Câmara Técnica, reponsável por deliberar sobres as decisões técnicas da RRDM.

Coordenação Técnica (CTEC)

A Coordenação Técnica possui diversas atribuições, que, no conjunto, buscam oferecer qualidade técnica/técnico-científica aos trabalhos/projetos conduzidos no âmbito da Rede. Entre elas incluem-se: estabelecimento de estratégias voltadas para o adequado cumprimento de metas técnicas/técnico-científicas; e suporte técnico necessário aos pesquisadores nas atividades desenvolvidas em campo, processamentos em laboratórios, avaliação e análise de dados. É constituída atualmente por quatro membros docentes e assessorias técnicas.

Adalto Bianchini ctec@rrdm.net.br
Tarcila Franco tarcila@rrdm.net.br

Escritório de Projetos (ESCPRO)

O Escritório de Projetos fornece suporte administrativo, gerencial, jurídico e logístico à Rede como um todo. De forma específica, apoia os coordenadores de projetos e suas equipes para o efetivo desenvolvimento das atividades a eles relacionadas. Entre as ações-suporte, incluem-se: supervisão e controle de projetos; orientação, aconselhamento, treinamento e acompanhamento de atividades inerentes aos escopos dos projetos; facilitação no acesso a/compartilhamento de dados, informações, metodologias, ferramentas, técnicas e lições aprendidas com outros projetos; priorização e otimização de recursos; e desenvolvimento de políticas, procedimentos e modelos no contexto do gerenciamento de projetos. É composta atualmente por um docente e assessorias técnicas.

Eustáquio de Castro escritorio@rrdm.net.br
Patrícia Bourguignon patricia@rrdm.net.br

Núcleo de Atuação Integrada em Rede (NAIR)

O NAIR tem, dentre suas principais atribuições, a elaboração e implementação de forma colaborativa, integrada e adaptativa das estratégias dirigidas ao desenvolvimento de trabalhos técnicos e técnico-científicos e a articulação com outras instituições relevantes para o desenvolvimento desses trabalhos. Para isso, conta com três unidades (Atuação em Rede, Comunicação e Gestão de Dados) e ainda com uma assessoria técnica. 

Quem compõe a RRDM

A rede colaborativa é composta pela união de pesquisadores de 25 instituições de ensino, universidades estaduais e federais, de vários estados brasileiros.

Cadastre seu e-mail e receba nossas novidades